ABRACE

mar 30 Palestra “Sexualidade e Gênero no Contexto Escolar e Bullying Escolar”

No dia 31/03/2017, o Sesc Caiobá promoverá palestra intitulada “Sexualidade e Gênero no Contexto Escolar e Bullying Escolar”.

O evento é voltado aos professores da rede municipal de algumas cidades do litoral.

Dessa forma, considerando termos hoje seis licenciaturas, cada curso pode indicar 8 ou 9 estudantes com disponibilidade para participar da palestra em período integral (8h às 12h e 13h às 17h).

A entrada será um livro de literatura infantil, novo ou usado (doação voluntária)

Os estudantes do curso de Licenciatura em Ciências interessados em participar da palestra devem fazer contato com o coordenador do curso, professor Emerson, apenas por e-mail (joucoski@gmail.com) até quinta-feira, 23/03/2017, às 14h. Atenção: somente serão aceitos e-mails postados até às 14h do dia 23/03/2017 e o número de vagas será preenchido por ordem de envio do e-mail. Portanto, quanto antes o interessado enviar o e-mail solicitando a participação, antes terá sua vaga garantida. O nome dos interessados contemplados será disponibilizado neste post em 23/03/2017 a noite.

Na sequência, informações adicionais relativas à palestra:

Palestra: Sexualidade e Gênero no Contexto Escolar e Bullying Escolar.
Local: Centro de convenções do Hotel Sesc Caiobá.
Publico: Professores
Data: 31/03/2017 (sexta feira)
Horário: 08h00min as 12h00min e 13h00min as 17h00minhrs. Carga Horária: 8 horas.
Vagas: 50 (confirmar até o dia 23/03)

Obs: Cada participante deverá trazer um livro de literatura infantil novo ou usado (doação voluntária).

Conteúdo Programático:
– Etimologia do bullying;
– Pesquisas e estatísticas;
– Critérios de identificação dos atos de bullying;
– Tipos de bullying;
– Bullying e sexualidade;
– Grupos envolvidos e suas dinâmicas;
– Direitos humanos, gêneros e diversidade sexual;
– Genealogia da moral e sexualidade;
– Legislação e normas;
– Diagnóstico: sintomas e consequências;
– Etiologia do comportamento agressivo;
– Intervenções, procedimentos e encaminhamentos;
– Práticas pedagógicas preventivas;

Palestrante: Benjamin Horta – Filósofo, pedagogo, pesquisador em Psicanálise, especialista em Bullying Escolar, e educação e Direitos Humanos. Trabalhou durante 4 anos na Inglaterra desenvolvendo projetos para a melhoria de habilidades sociais de crianças e adolescentes. É fundador da ABRACE – Programas Preventivos, professor da Escola de Inovação Pública e colaborador nas ações da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Bullying e outras violências.

mar 24 Pesquisa da ONU mostra que metade das crianças e jovens do mundo já sofreu bullying.

Fonte: ONUBR

Pesquisa realizada pelas Nações Unidas no ano passado com 100 mil crianças e jovens de 18 países mostrou que, em média, metade deles sofreu algum tipo de bullying por razões como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem.

No Brasil, esse percentual é de 43%, taxa semelhante a outros países da região: Argentina (47,8%), Chile (33,2%), Uruguai (36,7%) e Colômbia (43,5%).

Um terço dos entrevistados disse acreditar que sofrer bullying é normal e, por isso, não contou a ninguém. Foto: Shutterstock / CC

Em média, metade das crianças e jovens no mundo dizem ter sofrido bullying. Foto: Shutterstock / CC

Pesquisa realizada pelas Nações Unidas no ano passado com 100 mil crianças e jovens de 18 países mostrou que, em média, metade deles sofreu algum tipo de bullying por razões como aparência física, gênero, orientação sexual, etnia ou país de origem.

Os números constam no relatório “Pondo fim à tormenta: combatendo o bullying do jardim de infância ao ciberespaço”, realizado pelo representante do secretário-geral da ONU para o combate à violência contra a criança e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

No Brasil, esse percentual é de 43%, taxa semelhante a outros países da região: Argentina (47,8%), Chile (33,2%), Uruguai (36,7%) e Colômbia (43,5%). Em países desenvolvidos, a taxa também gira em torno de 40% a 50%, como é o caso de Alemanha (35,7%), Noruega (40,4%) e Espanha (39,8%).

“O bullying é uma experiência danosa, apesar de evitável, para muitas crianças no mundo. Não importa como seja definida, as pesquisas internacionais recentes com crianças relatam uma taxa entre 29% e 46% de crianças alvo de bullying nos países estudados”, afirmou o relatório.

Segundo o documento, evidências mostram que tanto as vítimas como os perpetuadores desse tipo de violência na infância sofrem em termos de desenvolvimento pessoal, educação e saúde, com efeitos negativos persistindo na vida adulta.

“Quando as crianças são afetadas pelo bullying, elas não conseguem tirar vantagens das oportunidades de desenvolvimento aberta a elas nas comunidades e escolas nas quais vivem”, afirmou o relatório.

O estudo mostrou que o bullying é um fenômeno complexo que toma múltiplas formas, e é experimentado de diversas formas no mundo. Normalmente definido como provocação, exclusão ou violência física, em torno de um em cada três crianças em idade escolar no mundo informaram ter passado por alguma experiência envolvendo bullying ao menos uma vez nos meses precedentes.

O fenômeno também é mais comum entre crianças de idade escolar em países mais pobres, e na maior parte dos países os meninos e crianças mais jovens enfrentam o problema mais frequentemente.

O UNICEF está trabalhando com governos, sociedade civil e setor privado para estabelecer mecanismos para que as crianças possam reportar casos de violência, como atendimento por telefone, plataformas online e aplicativos móveis. Isso está ocorrendo em diversos países, entre eles Albânia, Algéria, Brasil, Hungria, Quênia, Madagascar e Sérvia.

No Brasil, o UNICEF, em colaboração com o governo federal e a ONG CEDECA e a empresa IlhaSoft, lançaram a plataforma “Proteja Brasil” em 2014, por meio do qual é possível reportar violência e abusos para as autoridades.

UNESCO organiza simpósio sobre o tema

Diante de seu compromisso com a construção de uma educação inclusiva e de qualidade, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e o Instituto de Prevenção à Violência Escolar da Universidade de Mulheres Ewha organizam na semana que vem (17 a 19) em Seul, na Coreia do Sul, o simpósio internacional “Violência Escolar e Bullying: das Evidências à Ação”.

O evento deve reunir cerca de 250 pessoas de 75 países, incluindo professores, estudantes, ministros e vice-ministros da Educação, autoridades políticas, oficiais da ONU e de agências bilaterais, além de outros parceiros e representantes da sociedade civil, do setor privado e das comunidades escolares.

“Enquanto muitos estudantes aprendem em ambientes seguros e estimulantes, outros são expostos à violência e ao bullying, o que infringe seu direito fundamental à educação”, disse Soo Hyang Choi, diretor da divisão para inclusão, paz e desenvolvimento sustentável da UNESCO.

“O simpósio permite que a comunidade internacional elabore novas ações para responder à violência escolar e ao bullying; e representa uma oportunidade de implementar as recomendações do relatório do secretário-geral da ONU sobre a proteção de crianças, apresentadas na Assembleia Geral das Nações Unidas em outubro de 2016”, declarou.

O simpósio internacional visa a ampliar a liderança da UNESCO no combate à violência escolar baseada em gênero, incluindo violência baseada em orientação sexual e identidade de gênero e expressão.

O evento também ocorre depois do lançamento de dois importantes relatórios em 2016, um sobre a resposta do setor educacional à violência baseada em orientação sexual e identidade de gênero e expressão, e outro com um guia sobre como enfrentar a violência baseada em gênero nas escolas.

Um novo relatório global será lançado durante o simpósio, oferecendo dados atualizados sobre escopo, natureza e impacto da violência escolar e do bullying, e fornecendo diretrizes para o setor educacional para o planejamento e a implementação efetiva de respostas.

O simpósio internacional tornou-se possível com o financiamento da UNESCO e do Ministério da Educação da Coreia do Sul por meio da Fundação Nacional de Pesquisa da Coreia do Sul.